24 de jul de 2012

Trabalho Bônus - Ensino Médio Honório


“O Reino de Deus era a bússola dos homens no tempo”*

Escreva um comentário sobre a frase acima estabelecendo uma relação entre ela e a concepção cristã medieval de história elaborada por Santo Agostinho.

Em todas as turmas do Ensino Médio do Honório Miranda, em alguma das matérias que leciono, tivemos a oportunidade de discutir a concepção agostiniana de epistemologia. Agora é a hora de botar a mão na massa!

Ai vai o link de onde esta frase foi tirada:


http://books.google.com.br/books?id=0RUhFWcxKegC&lpg=PP1&hl=pt-BR&pg=PA20#v=onepage&q&f=false


Vá direto até a página 20.


ORIENTAÇÕES

1 – Turmas envolvidas: Ensino Médio do Colégio Honório Miranda

2 – Critérios de avaliação:
  a. Clareza na argumentação.
  b. Texto adequado com a Filosofia de Santo Agostinho.
  c. Objetividade
  d. Criatividade
  e. Cumprimento da norma culta da língua portuguesa
  
3 – Este trabalho é bônus, ou seja, sua realização não é obrigatória.

4 – Serão escolhidos 3 textos/comentários que melhor atenderem aos critérios de avaliação.
Estes 3 alunos receberão 2 pontos para somar, conforme desejarem, entre as provas trimestrais de Filosofia, História e Sociologia.

5 – Caso existam trabalhos que eu julgue bons mas que não chegaram a se colocar entre os 3 melhores, receberão também uma bonificação em forma de nota, que será determinada posteriormente confome meus critérios.

6 – Os comentários devem ser enviados para meu email em arquivo anexo de extensão .doc (normal do word): cadumichel@hotmail.com

7 – Além de enviar o arquivo com o texto por email, o aluno deverá postar algum comentário resumindo sua argumentação neste post do blog.

8 - Pra quem quiser alguma referência sobre a frase, pode consultar o livro de onde ela é extraída pelo endereço: http://books.google.com.br/books?id=0RUhFWcxKegC&lpg=PP1&hl=pt-BR&pg=PP1#v=onepage&q&f=false


9 - Prazo de entrega 05/08/2012, até 23:59h


Quando eu estava na faculdade, elaborei praticamente o mesmo trabalho. Meu texto ficou um tanto hermético mas mesmo assim gosto dele!
Ai vai como um exemplo:

"O Reino de Deus é a bússola do homem no tempo."  


Pode-se dizer que na concepção cristã romana e medieval** de história o Reino de Deus é a bússola do homem no tempo uma vez que esta concepção de história é teleológica, ou seja: a história tem um fim (telos), que é o Reino de Deus, anunciado quando o messias volta a terra para "julgar os vivos e os mortos". Assim a bússola aponta para o caminho que o ser humano deve seguir para chegar à salvação.
 Segundo Agostinho tudo e todos têm uma função, Deus traça um plano para todas as coisas e a História é o lugar onde estas coisas acontecem. Logo, o caminho apontado pela bússola está anunciado no mapa, e nada irá alterá-lo. Contudo o caminho a ser percorrido escrito no mapa é ilegível ao ser humano, pois só Deus o conhece, e o caminho já percorrido pelo ser humano representado neste mapa é de escrita muito tosca, e ainda, o cristão não tem interesse por sua história, para ele só interessa o futuro. O passado para o cristão tem ligação com o pecado e o futuro com a redenção, temos assim uma idéia assimétrica entre passado e futuro, sendo o último supervalorizado.
Desta maneira a produção histórica medieval torna-se escassa. Os únicos escritos são hagiográficos, de certa maneira relatando o que de bom - e divino - aconteceu no passado cheio de pecados da humanidade. Neste sentido é que o caminho percorrido tem escrita tosca no mapa. 

Partindo desses pressupostos: o teleológico que indica uma história linear e o providencialista que indica uma "inação" do homem no tempo, chegamos ao pressuposto universalista da concepção cristã, onde o cristianismo é tido como religião universal. Catequizar, levar a "Verdade" a todos os pagãos, que segundo a religião também são filhos de Deus, é a ambição cristã. Assim não nega-se a existência de outros povos e também não exclui-se estes da religião, fazendo a concepção de humanidade bem como a de história cristã serem universais. A salvação anunciada no telos não é apenas individual, mas sim, com a cristianização do mundo, coletiva. O cristianismo torna-se então, de certa forma uma religião imperialista.
Desinteresse pelo passado, desprezo pela razão, inexistência de liberdade e conseqüente desvalorização da vida é o que a concepção cristã medieval de história, sistematizada por Santo Agostinho, logrou aos seus adeptos. O que dá o sentido a alguém percorrer o caminho do mapa cristão, guiado pela bússola é exatamente a Salvação. A salvação faz o cristão aceitar sua condição humana, o faz conformar-se com sua realidade e estabiliza a visão de mundo dele. A História para o cristão medieval está muito mais no futuro do que no passado ou presente.

* Comparação criada pelo Historiador José Carlos Reis, no livro História & teoria: historicismo, modernidade, temporalidade e verdade. ‪FGV Editora‬, 2 ed. 2003, p 20.
** Esta concepção, segundo o mesmo autor acima citado, dura até os séculos XIII e XIV na Europa.


Bom trabalho a todos que se aventurarem!



3 comentários:

  1. Desde o início do pensamento cristão medieval, há um teocentrismo evidente. Se desenvolve a teleologia, o estudo do fim, onde o ser humano deveria passar por sacrifícios na terra para no fim receber a graça de Deus e entrar no Reino dos Céus. Ser Salvo. Ainda houve a implantação da igreja como doutrina oficial do Império Romano. Esse usou a palavra cristã para dominar outros povos....

    ResponderExcluir
  2. A concepção cristã medieval desenvolvida por Santo Agostinho usava o Reino de Deus de duas formas: caminho para a salvação, e meio de dominação para o Império Romano. Porém, nem tudo o que era dito sobre esse assunto é bem como se pensa..

    ResponderExcluir
  3. "A bússola seria o senso de direção, caminho a ser seguido pela humanidade através dos tempos para chegar ao Reino de Deus."

    ResponderExcluir